Calma para estar atento e forte na pandemia

GPA inova ao oferecer ação de cuidado e desenvolvimento socioemocional junto a seus colaboradores

Quando surge uma situação absolutamente nova, nunca vivida anteriormente, uma empresa precisa se reinventar, ousar e inovar para criar a melhor condição de trabalho possível para sua equipe além de promover seu bem-estar e proporcionar uma melhor qualidade de vida. Foi isso que a GPA fez ao criar, durante a pandemia mundial imposta pelo novo coronavírus, um programa que buscou prever os possíveis impactos emocionais e comportamentais gerados pela pandemia, questões e conflitos da vida pessoal e profissional de seus trabalhadores, que foram potencializados pelo contexto e que nunca estão ao alcance das medidas e protocolos de segurança e prevenção contra o novo coronavírus.

Estamos falando do Projeto Calma, uma iniciativa para apoiar a equipe GPA frente aos desafios gerados do ano de 2020. Desenvolvido pela Ethos Biocentro o projeto teve início em abril e é realizado nas dependências do CPP-RNS/I, oferecendo encontros presenciais, em horários flexíveis, que proporcionam o diálogo, o compartilhamento e atividades vivenciais com musicoterapia e meditação. “Essa é uma metodologia viva e fluida que se forma a partir da participação, da interação e do compartilhamento entre o grupo. Esse processo promove a integração, o acolhimento, as expressões de afetividade e o fortalecimento pelo encontro”, explica Marli de Souza, fundadora da Ethos Biocentro e que atua como facilitadora no projeto dentro do CPP-RNS/I.
O projeto é composto por quatro módulos e se sustenta em três eixos de atividades: o círculo terapêutico, a meditação e a musicoterapia. Os encontros são conduzidos e mediados por uma facilitadora que estimula os participantes por meio do diálogo e provocações acerca de temas específicos estruturados a partir da realidade e experiências vivenciadas. “Para estimular o desenvolvimento socioemocional é preciso de pessoas reais protagonizando suas histórias”, enfatiza a facilitadora.

Foi o que aconteceu com a coordenadora de RH Daniela Marinho. “Na linha de frente do enfrentamento ao Covid-19 fui surpreendida pelo vírus. Eu e minha família fomos infectados. Me senti enfraquecida espiritualmente. Sentimentos como angústia e aflição começaram a fazer parte do meu dia. O Calma transformou este momento da minha vida, através da respiração, meditação e do autocuidado”, lembra ela.

Estruturado para atender a rotina e toda equipe de profissionais da GPA, o Projeto Calma tem os módulos realizados em períodos espaçados e seu desenvolvimento acontece de forma progressiva absorvendo a realidade do momento de sua realização. “As ferramentas utilizadas para o desenvolvimento dos encontros são pequenos aprendizados, propostas possíveis de serem reproduzidas no dia a dia e que viabilizam que práticas de autocuidado se tornem uma rotina, um habito”, acrescenta Rodrigo Gaiga, presidente da GPA e um entusiasta do projeto.
“Trabalhamos nossas emoções de forma consciente e o que, consequentemente, permite um autoconhecimento dinâmico e progressivo”, destaca Juliana Zancanaro, assistente de direção da Escola GPA e participante do projeto. A auxiliar administrativa Tayenne Cirqueira concorda. “Temos a
oportunidade de externar aquilo que não conseguimos no dia a dia”, pondera.

Os encontros são realizados na própria instituição em espaços abertos atendendo a todas as medidas de segurança e prevenção. Para quem está atuando em modo de teletrabalho os encontros foram adaptados ao formato virtual, ações estratégicas para viabilizar a participação e o alcance dos benefícios propostos pelo projeto. “É um conjunto de práticas para aprimorar a capacidade de estar consciente dos próprios pensamentos, emoções e sensações, resumo o professor Jeffersom Carvalho.